Histórico da Academia Nacional de Agricultura

No mesmo semestre em que nasceu a Academia Brasileira de Letras (ABL), um grupo de líderes agrícolas fundou a Sociedade Nacional de Agricultura. Tal como fizera a ABL, que se baseara na Académie de France, a SNA inspirou-se na Societé d’Agriculture, criada em 1761 e transformada em 1915 na atual Académie d’Agriculture de France. Tanto a Academia Brasileira de Letras como a Sociedade Nacional de Agricultura instituíram 40 cadeiras para seus membros efetivos, cada qual com um patrono que tivesse ligação com os propósitos das duas entidades.

Em 17 de maio de 2001, em reunião extraordinária da SNA, colocou-se em prática o dispositivo estatutário que transformava o Conselho Superior da Sociedade Nacional de Agricultura, composto por 40 membros, em Academia Nacional de Agricultura.

Inaugurada solenemente em 24 de novembro de 2003, a Academia Nacional de Agricultura possui importância estratégica para o setor agrícola brasileiro, já que sua função principal é a de traçar políticas nacionais que envolvam questões nas áreas do agronegócio, do meio ambiente e da pesquisa científica. Seu lema, viribus unitis, Le., “energias unidas”, desdobra-se na trindade impressa na capa da revista A Lavoura: Agropecuária, Alimentação e Meio Ambiente, nos exatos moldes do tripé lançado na capa da revista da Académie d’Agriculture de France.

Verdadeiro centro do pensamento agrário, a Academia Nacional de Agricultura ostenta, entre seus membros, nomes como Roberto Rodrigues, Marcus Vinícius Pratini de Moraes, Rubens Ricupero, Israel Klabin, Antonio Delfim Netto, Pierre Landolt, Jório Dauster, João Carlos Meirelles e Fábio de Salles Meirelles, apenas para citar alguns.

Com o objetivo de tratar da reestruturação e da revitalização da Academia Nacional de Agricultura, o presidente da SNA, Antonio Alvarenga, promoveu, em março de 2011, uma reunião-almoço dos membros da Academia que residem em São Paulo.

Participaram do encontro os ex-ministros Delfim Neto, Pratini de Moraes e Antonio Cabrera; o secretário de Agricultura de São Paulo, João Sampaio; os acadêmicos Flavio Perri e João Carlos Meirelles; o presidente da Sociedade Rural Brasileira, Cesário Ramalho, e o diretor da Federação de Agricultura de São Paulo, coronel Ronaldo Severo Ramos, representando seu presidente Fabio Meirelles.

Houve consenso quanto à necessidade de ampliar o número de membros da Academia e de manter sua característica multidisciplinar e abrangência nacional. Além disso, houve apoio à permanência da sede no Rio de Janeiro, pela tradição, projeção e o momento atual de retomada de desenvolvimento econômico e social da cidade.

O ex-ministro Pratini de Moraes ressaltou a importância de incorporar à Academia personalidades provenientes das regiões onde o agronegócio tem se expandido nos últimos anos, como é o caso de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Tocantins, Bahia, Maranhão e Piauí. Já o ex-ministro Antonio Cabrera sugeriu agregar pesquisadores e cientistas, incluindo especialistas em meio ambiente e Direito Agrário.

Roberto Rodrigues tomou posse como presidente em cerimônia realizada na quinta-feira, 15 de agosto de 2013, na sede da SNA.  Em seu discurso, Rodrigues prometia levar as discussões da entidade a um patamar mais prático.

“É preciso estruturar mecanismos para agir de fato. Não dá mais para viver de diagnósticos, precisamos de propostas concretas e tópicas”, ressaltou à ocasião.

Nesse mesmo dia, assumiram suas cadeiras na entidade a diretora-presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Elizabeth Farina, o diretor da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano de São Paulo (CDHU), José Milton Dallari, o diretor de seguros do Grupo Segurador do Banco do Brasil e Mapfre, Luís Carlos Guedes Pinto, e o vice-presidente da FGV, Sergio Franklin Quintella.

O presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Luiz Carlos Carvalho, assumiu a presidência da entidade em 24 de março de 2015, em São Paulo. Na cerimônia de posse, saudou os presentes e declarou: “É uma honra estar aqui com vocês, assumir essa função. Gostaria de trazer aos nossos colegas uma reflexão sobre a realidade que estamos vivendo, um momento absolutamente diferenciado em que, de qualquer forma, a necessidade de trabalhar pela sustentabilidade do agronegócio é fundamental. Cabe essa função essencialmente às entidades de classe e à nossa Comissão.”

No mesmo ano, o presidente da SNA, Antonio Alvarenga, entregou o colar de novo membro da Academia à ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira. A cerimônia foi realizada em São Paulo, em 19 de novembro, e contou com a presença de várias personalidades importantes do agronegócio brasileiro.

Na ocasião, outros membros passaram a integrar o time de pensadores da Academia: Arnaldo Jardim, secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo; Eliseu Alves, ex-presidente da Embrapa; João Guilherme Sabino Ometto, vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp); Gustavo Diniz Junqueira, presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB); Walter Horita, presidente do Grupo Horita, e Paulo Protásio, diretor da SNA e presidente da Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).

Em janeiro de 2017, por ocasião do evento comemorativo dos 120 anos da Sociedade Nacional de Agricultura – onde a TV Globo foi agraciada com o prêmio Destaque SNA por sua campanha ‘Agro é Tech, Agro é Pop, Agro é Tudo’ – a Academia Nacional de Agricultura realizou a cerimônia de posse de cinco novos membros: Alberto Werneck Figueiredo, diretor da SNA; Cesário Ramalho, vice-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho); Francisco Turra, ex-ministro da Agricultura e presidente da Associação de Proteína Animal (ABPA); Maurílio Biagi Filho, vice-presidente da SNA, e o empresário Ronald Levinsohn.

Em 30 de novembro de 2017, Maurício Antonio Lopes, então Presidente da Embrapa, tomou posse na Academia, em cerimônia realizada no Auditório do IBMEC em São Paulo, durante o lançamento do IBMEC Agro, uma parceria entre a SNA e o Ibmec Educacional.

Em 15 de fevereiro de 2019, durante almoço comemorativo dos 122 anos da SNA, mais quatro membros ingressaram oficialmente no quadro da Academia: o empresário do setor de comunicação e especialista em gestão empresarial, finanças e publicidade, Cláudio Pereira; o pesquisador da Embrapa, Evaristo de Miranda;o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins da Silva Júnior, e o presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Federação de Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Jacyr Costa Filho.

No almoço comemorativo dos 123 anos da SNA, realizado em 31 de janeiro de 2020, outros quatro novos acadêmicos tomaram posse na Academia: Cristina Baran, editora da revista A Lavoura; Márcio Lopes de Freitas, presidente do Sistema OCB; Milton Thiago de Mello,  ex-presidente da Abramvet; e Roberto Fendt membro do Conselho de Economia da SNA, ex-diretor da Funcex e do Cebri. As comendas foram entregues pelo presidente da entidade, Caio Carvalho.

Membros da Academia

Fundador e Patrono: Octavio Mello Alvarenga

Presidente: Luíz Carlos Corrêa Carvalho

Cadeira Patrono Titular
1 Ennes de Souza Roberto Ferreira da Silva Pinto
2 Moura Brasil Milton Thiago de Mello
3 Campos da Paz Eduardo Eugênio Gouvêa Vieira
4 Barão de Capanema João Martins da Silva Júnior
5 Antonino Fialho Maurício Antonio Lopes
6 Wencesláo Bello Ronaldo de Albuquerque
7 Sylvio Rangel Tito Bruno Bandeira Ryff
8 Pacheco Leão Lindolpho de Carvalho Dias
9 Lauro Muller Flávio Miragaia Perri
10 Miguel Calmon Paulo Manoel Lenz Cesar Protásio
11 Lyra Castro Marcus Vinícius Pratini de Moraes
12 Augusto Ramos Roberto Paulo Cezar de Andrade
13 Simões Lopes Rubens Ricúpero
14 Eduardo Cotrim Pierre Landolt
15 Pedro Osório Luíz Carlos Corrêa Carvalho
16 Trajano de Medeiros Israel Klabin
17 Paulino Fernandes José Milton Dallari Soares
18 Fernando Costa João de Almeida Sampaio Filho
19 Sérgio de Cavalho Sylvia Wachsner
20 Gustavo Dutra Antônio Delfim Netto
21 José Augusto Trindade Roberto Paraíso Rocha
22 Ignácio Tosta
23 José Saturnino Brito Sérgio Franklin Quintella
24 José Bonifácio Kátia Abreu
25 Luiz de Queiroz Antônio Cabrera Mano Filho
26 Carlos Moreira Jório Dauster
27 Alberto Sampaio Elizabeth Maria Mercier Querido Farina
28 Epaminondas de Souza Antonio Melo Alvarenga Neto
29 Alberto Torres Arnaldo Jardim
30 Carlos Pereira de Sá Fortes John Richard Lewis Thompson
31 Theodoro Peckolt Evaristo Eduardo de Miranda
32 Ricardo de Carvalho
33 Barbosa Rodrigues Roberto Rodrigues
34 Gonzaga de Campos João Carlos de Souza Meirelles
35 Américo Braga Fábio de Salles Meirelles
36 Navarro de Andrade Jacyr Costa Filho
37 Mello Leitão Alysson Paolinelli
38 Aristides Caire Osaná Sócrates de Araújo Almeida
39 Vital Brasil Denise Frossard
40 Getúlio Vargas Luís Carlos Guedes Pinto
41 Edgard Teixeira Leite
42 Elvo Santoro Gustavo Diniz Junqueira
43 Antônio Ernesto Werna de Salvo Eliseu Alves
44 Walmick Mendes Bezerra Walter Yukio Horita
45 Octavio Mello Alvarenga Cristina Baran Alvarenga
46 Nestor Jost Francisco Turra
47 Edmundo Barbosa da Silva Maurílio Biagi Filho
48 Ibsen de Gusmão Câmara Izabella Mônica Vieira Teixeira
49 Antonio Ermírio de Moraes João Guilherme Ometto
50 Joel Naegele Alberto Werneck de Figueiredo
51 Luiz Marcus Suplicy Hafers Cesário Ramalho da Silva
52 Francelino Pereira Cláudio Pereira
53 Jaime Rotstein Roberto Fendt
54 José Carlos Azevedo de Menezes Márcio Lopes de Freitas
55 Leopoldo Garcia Brandão Ruy Barreto